02.08.16

Opinião do Expert

Millennials, a geração que sonha em ser o próprio chefe!

    Estamos vivendo em tempos incertos e excitantes. As gerações Y e Z, também conhecidas como “Milennials” são a divisão entre a segurança cada vez mais inserta do trabalho assalariado e a promessa de liberdade oferecida com a possibilidade de ser um empreendedor. Estudos recentes feitos em pessoas de 18 a 34 anos e sua visão de trabalho confirmam isto: suas expectativas em termos de autonomia, realização, flexibilidade e criatividade claramente pendem a balança à favor da autonomia. O sonho de muitos da geração Millennial é o de ser o seu próprio chefe e transformar suas idéias em realidade. O único obstáculo real para transpor – especialmente na França – é o fato de assumir riscos.

    "Millennials, a geração que sonha em ser o chefe!"

     

    PREOCUPAÇÃO EM RELAÇÃO À FALHAR E MEDO DE SUCEDER: DUAS AFLIÇÕES FRANCESAS

    O seu nome pouco conhecido esconde um fato muito real: atychiphobia é o nome científico dado a um medo anormal de falhar. É sobretudo um problema cultural. Logo nos primeiros anos de estudo, o sistema escolar da França faz com que desenvolvamos um medo de notas baixas. Não é nada surpreendente portanto que um dos principais fatores citados como impeditivos na hora de começar o próprio negócio é o medo de falhar (24% dos indivíduos pesquisados responderam que tem medo de falhar, de acordo com a French Entreprenuerial Index, uma nova ferramenta que mede dinamismo empreendedor na França – Fev 2016). Ainda, como Steve Jobs tão habilmente colocou, “Estou convencido que cerca de metade do que separa os empreendedores dos mal sucedidos é pura perseverança”.

    Um medo pode esconder outro... o de suceder. O medo do sucesso é mais difícil de reconhecer e ser detectado pois não parece lógico. Ainda nossa cultura cria tabus que são raramente conscientes. Na França o sucesso de uma pessoa não necessariamente é bem visto por outros e pode gerar mais suspeita e crítica do que admiração.

    Felizmente estes obstáculos culturais estão em declínio, cada vez mais principalmente devido ao advento da internet e NICTs (National Information Communication Technology Strategy) que nos permite comunicar sem barreiras. Não é acidente que os Nativos Digitais – nascidos com um computador ou telefone celular nas mãos -  são muito mais inclinados a escolher o caminho do empreendedorismo, em relação aos mais velhos. Eles tem uma preferência para sair e descobrir coisas novas, desafiando convenções e observando como as coisas são feitas em outros países.

     

    DAS AFLIÇÕES VEM O REMÉDIO

    O medo de falhar ou suceder, combinado com as complexidades administrativas típicas da França, tem desencorajado mais do que alguns no passado, porém isto é menor hoje, pois testemunhamos uma explosão de startups, particularmente em high tech, auxiliadas por diversas iniciativas semi-privadas e o suporte de empresários experientes que conquistaram o sucesso na França em um tempo onde era ainda mais difícil de fazê-lo. Existe um desejo real de “passar o bastão” em termos concretos e silenciar as críticas que dizem que a França é um pesadelo para qualquer pessoa querendo abrir um negócio.

    É impossível não mencionar Xavier Niel, o criador do Free/iliad, que está financiando a maior incubadora de startup do mundo chamada “O hall das 1000 startups”, com previsão de ser inaugurada no começo de 2017. Mohed Altrad, o presidente e CEO do Altrad Group and vencedor do EY 2015 World Entrepeneur of the Year Award, está oferecendo agora sua experiência para o benefício da France Entrepeneur Agency. Recentemente o Secretário do estado para o ensino superior e pesquisa lançou uma campanha de mídia digital desenhada para promover o status ainda desconhecido de estudantes empreendedores. Este status permite que estudantes empreendam os seus projetos enquanto estudam, e jovens graduado retenham ou ganhem novamente status e vantagens que vem junto.

    Portanto, apesar das dificuldades atuais associadas com emprego assalariado, o contexto raramente foi tão favorável para a criação de novos negócios na França. Vamos apostar que os Millennials vão se sair muito bem e quebrar velhas barreiras culturais.

    Baixe o artigo em PDF (inglês)